Por: Maria M Ribeiro – Professora do Grupo Amor Sustentável

Amor Sustentável: A proposta educativa que lançamos este ano tem se mostrado bem sucedida até o momento, no seu propósito de refinar a arte dos relacionamentos e da sexualidade a fim de permitir a sustentabilidade do amor nas relações humanas.

Imersos neste campo, participantes de diversos grupos de estudo pelo Brasil nos chamaram atenção quando no inicio deste mês (setembro 2018) jornais publicaram o inicio de uma história sobre eventos ocorridos na organização Awaken Love, em torno de seu lider, Sri Prem Baba. No início parecia ser um diálogo conflituoso com possibilidades construtivas para os participantes.

“Olha isso! Olha isso! O Que você acha disto?”, nos perguntavam os estudantes. Decidimos nos pronunciar. Dever de casa cumprido, assitimos ao video do Baba e escrevi um texto com apoio do Eduardo Alexander para responder a todos de uma vez. Porém, antes da finalização do nosso texto, a revista Época publica uma outra entrevista, divulgando mais detalhes, que me fizeram ter que alterar o texto.

A primeira parte: Os problemas da espiritualidade no patriarcado, é o nucleo do texto original. Na segunda parte interpreto as questões divulgadas pela revista. Tentamos seguir o pedido de Prem Baba de não instigar mais movimento na mídia. Apesar da responsabilidade de lidar com o assunto ser exclusivamente dos envolvidos, muitas mulheres ao meu redor foram mobilizadas com a questão.

Deixamos claro que não desejamos continuar o assunto a fim de agravar os danos ou críticas, ou causar mais sofrimento. Nos cabe uma reflexão que aponte, a partir da nossa visão de mundo, de amor, de sexo, de espiritualidade, quais são os problemas e conflitos mobilizados no evento, e como integrá-los. Devemos este posicionamento como educadores da área e eu pessoalmente, como mulher, experiente no caminho da integração entre espiritualidade e sexualidade.

Os problemas da espiritualidade no patriarcado

Se você fosse uma mulher nos anos 1930, seria dificil enxergar as relações de dominação do masculino. E se por acaso pudesse ver, mais dificil seria construir relações diferentes. Foi necessário uma contracultura, um feminismo, uma filosofia que olhasse a construção historica das ideias para que as relações de dominação pudessem emergir na consciência.

Em relação a evolução das idéias no campo espiritual, temos muitas mulheres de 1930 andando por ai!  É dificil perceber as dualidades e polarizações que são criadas a partir de milênios de sistemas espirituais que são feitos por homens para homens. Separados de valores de espiritualidade feminina. Os homens, Babas ou não, tornam-se prisioneiros do sistema que criaram. Quem sabe este evento não possa nos ajudar a superar o modelo?

Mas onde estão as polaridades? Vejamos:  (A Partir do Video reflexivo onde Prem Baba expõe sua visão sobre os eventos: https://www.youtube.com/watch?v=Lb8npgeSQtQ&t=22s)

  • A evolução espiritual só ocorreria quando o sexo terminar
  • Um ser “despertado” deveria ser celibatário (brahmacharya). (Despertar da consciencia versus sexualidade
  • O aprofundamento da meditação deveria tornar o sexo desinteressante (prática meditativa versus sexualidade)
  • O Celibato instavel é um processo inacabado até se alcançar a verdadeira maestria no celibato irreversível (evolução espiritual versus sexualidade)
  • Um lider espiritual deve ser celibatário porque é seu simbolo de conquista sobre as forças inferiores e portanto o coloca em um local diferenciado para exercer sua liderança. (capacidade de liderança versus sexualidade)
  • O Grande Pai define quando e como o pequeno filho pode e deve ter atos sexuais. (Hierarquia masculina de decisões sobre a sexualidade)

Em sua pluralidade conflituosa de sistemas de pensamento e espiritualidade (Sim, a India está longe  de ser um monolito), a palavra brahmacharya é interpretada de maneiras bem diferentes. Etimologicamente “Brahma” relaciona-se a divindade, mais especificamente ao aspecto criativo do divino. Já “Charya” pode se relacionar a estudo, performance, observação e “Acharya”, maestria. Por isto muitas correntes do tantra (o que restou dos valores do feminino nesta cultura) interpretam Brahmacharya como o estudo e maestria da força criativa (sexual). Sendo que a perda desta força criativa é o maior problema na relação com o processo meditativo e evolutivo.

– “Está bem, Está bem. Mas como vocês aí do Tao resolvem isso? “

Olha, a conservação da força criativa não é garantida porque você deixou de ter relações sexuais com outros humanos. Sim, você pode perder a tal força de várias formas sendo “celibatário”. E pior ainda, você pode ter relações sexuais e durante a relação, não só preservar esta força como multiplicá-la.

Como resolvemos isso? Ora, o tal do Amor não deveria ser universal?

Universal quer dizer que ele se encontra em todos os lugares menos num ato sexual entre humanos? Deste lugar o Amor Universal sai correndo?

Então é simples: O Ato sexual verdadeiramente humano é um evento que pode permitir:

  • A conservação e mesmo multiplicação da energia criativa (Brahmacharya durante o ato)
  • A intensificação e aprofundamento do processo meditativo que pode e deve ser feito durante o próprio ato. (Integração de ato sexual e meditação)
  • A integração dos aspectos inferiores (microcosmicos – Janderson) da personalidade com os superiores (macrocosmicos – Prem Baba)
  • A canalização e preservação do Amor Universal neste reino de amor condicionado, por vezes em intensidades maiores que o meditador solitário
  • Parte da sua força evolutiva, a Energia sexual é dotada de sabedoria. Ninguém melhor que ela mesma em sua forma refinada para decidir os momentos adequados para entrar em contato sexual ou recolher-se

O Caminho não tem inicio ou fim. O caminho se faz pelo caminhante, no ato de caminhar.

Estar num momento de vida onde você não se encontra sexualmente com outros não garante nem deveria ser um “marcador” de evolução. Em nossa linhagem, tivemos um mestre que viveu solitário, cultivando sua energia em meditação solo até 60 anos de idade. Quando então, despertou para sua verdadeira essência e percebeu que seu caminho seria muito mais integro e efetivo na troca sexual. Se casou aos 60 e teve uma vida sexual – meditativa ativa até 94 anos de idade.

O Caminho do feminino é um circulo. Uma onda. As coisas se transformam eternamente. Vem e vão. A unica constante é a transformação e com a vida e direção da energia sexual não é diferente.

Sri Prem Baba representa um caminho onde os objetivos e medidas da “evolução”espiritual não são coerentes com a nossa visão de um caminho espiritual onde os valores do feminino encontram-se devidamente integrados. Se retirarmos o monte de julgamentos e críticas que são feitas a partir destes parâmetros evolutivos do masculino, uma boa carga de sofrimento pode se tornar desnecessária. Sobram questões mais simples para resolver. Um casal com dificuldades sexuais relacionais, a formaçao de um triangulação sexual dentro deste casal e todos os afetos que surgem a partir daí, posse, ciúmes, inveja, presunção, auto engano e outros enganos. Exatamente o material para o crescimento através da Alquimia Sexual.

Continua na parte 2 (Analisando os abusos)